DFTN - Defeitos do Fechamento do Tubo Neural

É uma malformação fetal que ocorrem na fase inicial do desenvolvimento fetal, entre a  até a 5ª semana de gestação, envolvendo a estrutura primitiva que dará origem ao cérebro e à medula espinhal.

O que é Defeito do Tubo Neural?

Durante a gestação, o organismo feminino sofre modificações para se adequar à nova vida que está em formação. Os níveis sanguíneos maternos de folato (eritrocitário e plasmático) diminuem normalmente, talvez como consequência da expansão do volume sanguíneo e do aumento da excreção urinária do folato, sendo que neste período sua absorção mante-se inalterada. Com a queda do folato, esses níveis podem atingir um nível crítico, deixando o feto exposto ao risco de anomalias fetais, dentre elas os Defeitos Fechamento do Tubo Neural(DFTN ou DTN).

Nesses primeiros dias da gestação a placa neural se fecha, formando o tubo neural. O fechamento precoce incompleto resulta em meningocele e mielomeningoceles (espinha bífida) e o fechamento tardio resulta em anencefalia (ausência de cérebro), sendo esta última considerada como incompatível com a vida. A incidência mundial de DTNs em 1998 variava de 1/1000 até 8/1000 nascidos vivos em regiões de altas prevalências. Nesta época no Brasil, a cada 800 nascimentos, uma criança apresentava DTN. Nos Estados Unidos, os defeitos de nascimentos ocorriam em 2,9% de todos os nascidos vivos e lideram a causa de morte entre crianças. Os custos médicos associados com o tratamento da espinha bífida nos Estados Unidos em 1995 eram estimados em 200 milhões de dólares anuais.

Anencefalia

A palavra Anencefalia significa "sem encéfalo" ou "sem cérebro". É o único Defeito do Tubo Neural considerado totalmente incompatível com a vida. Em geral, as crianças acometidas dessa malformação nascem sem o couro cabeludo, calota craniana e meninges. O que sustenta a sua vida é a sua ligação com a mãe. Muitas vezes morrem antes do parto. Estas gestações em geral resultam em aborto e quando chegam até o final, estes bebês morrem poucas horas após o nascimento. Em geral, poucos minutos.

Espinha Bífida

É uma malformação da coluna vertebral. Ela ocorre quando a extremidade inferior do tubo neural não se fecha corretamente, causando sérios danos medulares. Apesar da possível correção cirúrgica, a lesão nervosa é permanente e resultam em níveis diversos de paralisia dos membros inferiores, bexiga e intestino. Além do comprometimento físico a maior parte dos indivíduos afetados também apresentam distúrbios mentais.

A palavra bífida significa dividida.

Existem três tipos de espinha bífida conhecidos. São a: Meningoceles, Mielomeningoceles e a Oculta.

Conclusão

As causas dos defeitos do fechamento do tubo neural não são completamente conhecidas, mas as evidências indicam que, pelo menos em parte, se devem à nutrição deficiente, particularmente em ácido fólico, a causas genéticas ou ao uso de drogas. Certos medicamentos (como alguns usados para controlar convulsões) podem também ser a causa dos DTN. As mulheres que já têm um filho afetado correm um risco dez vezes maior de terem outro filho com o mesmo problema. Por outro lado, os defeitos do tubo neural podem ocorrer, em 95% dos casos, em casais considerados de baixo risco, isto é, sem história de malformações congênitas em gestações anteriores. É sabido que o ácido fólico é o mais importante fator de risco e sua ingestão é a melhor forma de prevenção da ocorrência de defeitos de fechamento do tubo neural na gestação dos casos identificados até hoje. Dados sobre o consumo de folato entre gestantes brasileiras mostram ingestão altamente deficiente (< 0,6 mg/dia). A ANVISA regulamentou para 2004 a adição de ácido fólico às farinhas de trigo e milho (0,15 mg/100g). Apesar de 40 países adotarem a fortificação obrigatória, apenas quatro avaliaram esta estratégia. Todos os estudos demonstraram impactos e reduções significativas na prevalência de defeitos do tubo neural, variando de 19 a 78%. A fortificação de alimentos com ácido fólico é uma intervenção inquestionável na prevenção primária, no entanto devemos considerar os defeitos do tubo neural como uma "epidemia" passível de prevenção. A incidência relatada de DTN coloca o Brasil no patamar dos países com as mais altas taxas no mundo, embora ainda haja poucas as publicações no Brasil sobre isto. Os dados disponíveis mostravam taxas variando de 0,83/1.000 até 1,87/1.000. Levantamentos feitos em uma maternidade de Belo Horizonte, Minas Gerais, entre 1990 e 2000 registrou uma prevalência de 4,2 defeitos do tubo neural por mil nascidos vivos, signicativamente maior do que as estimativas anteriores. Os resultados mais recentes mostraram prevalências ainda mais altas de DTN. Estas prevalências colocam o Brasil, ao lado do México, no patamar dos países com as mais altas taxas de defeitos do tubo neural do mundo. Usualmente estas prevalências são subestimadas, pois muitas gestações com defeitos do tubo neural são naturalmente, ou deliberadamente, interrompidas.

Veja também a Pesquisa sobre Ácido Fólico feita em 2011
e a nossa página sobre

Cumé?!

Sabemos que os textos que usamos para construir esta página podem estar, em parte, com termos bem técnicos e complicados e, talvez pouco acessíveis à grande maioria das pessoas comuns. Este texto foi construído com consultas de artigos médicos, matérias sobre o assunto encontrado na internet e pela experiência vivida por nós como pessoas comuns. Não temos a pretensão de sermos donos da verdade e colocamo-nos a disposição para tirar suas dúvidas sobre o assunto caso necessite.
Receber as suas críticas também é importante. Utilize para isto, nossa página Fale Conosco.

Conscientização

É missão também da GABRIEL levar ao conhecimento do maior número de mulheres em idade fértil:

1) Informações que propiciem melhora na qualidade de vida e de sua saúde, principalmente a gestacional.

2) Semear a importância da prevenção dos Defeitos do Tubo Neural através de exames laboratoriais, orientação médica apropriada e o uso correto do ácido fólico, através da alimentação e do uso de vitaminas industrializadas.

É de suma importância que as mulheres em idade reprodutiva tenham acesso a mais essa informação para que se conscientizem da importância que essa vitamina poderá ter sobre suas vidas.

Por sua vez os profissionais da área de saúde e que atuam diretamente com a saúde da mulher, sejam sensibilizados a levar o conhecimento e a orientação sobre esse procedimento. Nos centros de indução de ovulação essa consciência é fundamental, mas nem sempre ela existe.

Em alguns países como a Hungria, por exemplo, já se fala do folato na escola como se fala de AIDS aqui no Brasil, conscientizando as adolescentes de que se quiserem engravidar terão que parar com o anticoncepcional e começar a tomar o complexo vitamínico dois meses antes de iniciar a gestação.

Nossa Proposta

GABRIEL aponta como necessária a adoção de uma política pública municipal de saúde em todo o País indicando a inclusão do pedido de exame de dosagem de folato para todas as mulheres entre 12 a 45 anos (idade fértil). Esse exame deverá ser incluído no protocolo de exames de rotina solicitados pelo Clínico Geral ou Ginecologista/Obstetra para se efetuar o controle sobre a carência dessa vitamina. Esse modelo será recomendado para implantação nas esferas inter-municipais, estaduais e federais. Constatada a carência dos níveis ideais de ácido fólico no organismo feminino, o profissional fará o encaminhamento para o respectivo tratamento, o que deverá reduzir sensivelmente a ocorrência dos casos de DTN e das demais patologias relacionadas com a carência do acido fólico. Entre elas destacamos novamente: Lábios Leporinos, Fendas Palativas, malformações cardíacas e renais e mais recentemente com a descoberta de sua relação com os nascimentos de crianças com Síndrome de Down. Para que isso ocorra de forma desejável, sugerimos:

Conclusão Final

É essencial que toda mulher em idade fértil tenha acesso a informações sobre esse assunto e que encontre na saúde pública, orientação correta para receber o tratamento preventivo e/ou acompanhamento adequado, nos casos de ocorrências dessas malformações.

Pela sua importância, este assunto deve ser também objeto de inclusão no meio acadêmico para que seja tratado nas escolas, a partir do ensino fundamental, discutindo-se desde cedo sobre a importância que as vitaminas e a alimentação correta possuem na prevenção de inúmeras patologias.

Para tanto há necessidade de confecção de material de apoio como cartilhas, cartazes, folhetos e palestras assim como fóruns direcionados aos profissionais de saúde.

Finalizando, a relação custo x benefício que a prevenção representa é indiscutível, sem mencionarmos que as ações aqui propostas irão afetar diretamente na qualidade gestacional, contribuindo para a redução dos índices de mortalidade infantil.

"Podemos facilmente perdoar uma criança que tem medo do escuro; a real tragédia da vida é quando os homens têm medo da luz." (Platão).