Pesquisa sobre Doação de Sangue

A pesquisa abaixo foi realizada pelos alunos da turmas do 3º semestre de Gestão de Marketing, dos períodos diurno e noturno da FATEC de Indaiatuba - SP, durante os meses de maio e junho de 2014.

Foram entrevistadas, na ocasião, 1183 pessoas.

O resultado da pesquisa mostra não só as dúvidas e medos da população local, mas retrata a opinião de grande parte dos cidadãos brasileiros que tem na falta de informação o principal empecilho no momento de decidir sobre a doação de sangue.

Agradecemos aos alunos da FATEC Indaiatuba que realizaram e participaram desta pesquisa em especial ao Prof. Virgilio Itaiuti Panzetti que coordenou os trabalhos.

Veja outras Pesquisas

Doação de Órgãos feita no ano de 2006clique aqui

Doação de Órgãos feita no ano de 2010clique aqui

Sobre Ácido Fólico feita em 2011. clique aqui

Pesquisa

Apesar do número considerável de campanhas de doação de sangue existentes na Região Metropolitana de Campinas e postos móveis onde a coleta é realizada, as pessoas ainda não são doadoras frequentes, fato que norteou a realização desta pesquisa, a qual visa esclarecer por que as pessoas não doam sangue.
Verificar o grau de interesse e de conscientização das pessoas a respeito da doação de sangue
  • - Identificar que grau de importância as pessoas atribuem a doação de sangue.
  • - Verificar se a falta de conscientização impede que o indivíduo se torne doador.
  • - Averiguar quais motivos contribuem para que as pessoas não se tornem doadoras.
  • - Analisar a influência da religião sobre a decisão de doar ou não.
Exploratória não conclusiva.
Método quantitativo.
Aleatória simples.
1300 pessoas.
Homens e mulheres a partir de 15 anos em Indaiatuba.
GABRIEL – Grupo de Atuação Brasileiro para Realização de Transplantes Infantis e Estudos do Tubo Neura.
A doação de sangue.
Turmas do 3º semestre de Gestão de Marketing, do 1º semestre de 2014, dos períodos diurno e noturno.
Maio/Junho de 2014

Com o intuito de entendermos mais sobre o tema da doação de sangue, convidamos o casal, Sra. Maria Inês Toledo de Azevedo Carvalho e o seu marido, o Sr. Valdir de Carvalho, ambos responsáveis pela ONG Gabriel, que nos proferiram um pequeno seminário sobre o tema. Os relatos abaixo são um resumo da apresentação deles, com o uso de imagens e vídeos no qual contribui para formalização do questionário da pesquisa.
No ano de 1998 o casal Maria Inês e Valdir descobriu que a filha que esperavam apresentava um problema de saúde conhecido como Anencefalia ou Ausência do Cérebro, o que possibilitaria ao casal a possibilidade de solicitar judicialmente a interrupção da gestação. No entanto estes tomaram uma decisão inusitada: Maria Inês realizaria o parto com a intenção de doar os órgãos de seu bebê anencéfalo. Porém a legislação não previa a doação de órgãos para esses casos por não haver como comprovar a morte encefálica, quesito exigido para a captação de órgãos. Indignados com a proibição, o casal teve a solidária e pioneira decisão de fundar uma Organização não Governamental, a ONG GABRIEL (Grupo de Atuação Brasileira para a Realização de Transplantes Infantis e Estudo do Tubo Neural), que existe até hoje com o objetivo de conscientizar, mobilizar e incentivar a população acerca da doação de órgãos, tecidos e sangue, utilizando como referência a visão do doador e não do receptor. No mesmo ano o índice de doação de órgãos era muito mais baixo que o atual, no caso da cidade de Indaiatuba este índice era nulo.
Segundo a Fundadora da ONG, hoje o índice de transplantes de órgãos e tecidos é muito grande, isso muito devido ao aumento da população e consequentemente um aumento no número de acidentes ou algo que faça com que as pessoas necessitem da doação de órgãos, sangue ou de tecidos. Ela nos traz dados que comprovam que nosso país possui um índice muito abaixo do ideal, sendo: 3,5 milhões de bolsas de sangue, quando o ideal seria de 5,7 milhões de bolsas por ano, além de que 1,9% da população do nosso país são doadoras e sangue, dado este que é considerado normal ou que está dentro dos parâmetros consideráveis, isto em relação às tabelas feitas pela Organização Mundial de Saúde (OSM). Contudo a fundadora acrescenta que este número de doadores deve aumentar, pois há lugares no país que falta bolsas de sangue, certamente devido ao fato das pessoas desconhecerem ou não possuírem o conhecimento suficiente a respeito do tema doação.
A palestrante Maria Inês trouxe um dado que é considerado animador para nossa cidade, pois a mesma possui um ponto de coleta que é de suma importância para a região. E por fim apresentou um projeto sobre a implantação de um local de coleta de sangue, ou seja, um Hemocentro, mas com apoio inicial da Unicamp, sendo ela a responsável pelas estatísticas da execução deste projeto. A palestrante informou ainda que, este projeto contará com o apoio do Rotary Indaiatuba, onde ele disponibilizaria os recursos materiais para custeio de equipamentos, além da participação da Prefeitura Municipal, que viabilizaria um espaço físico para construção do Hemocentro e reintegrou a participação deles (palestrantes) frente ao projeto e frente à ONG, atuando na parte de divulgação, campanhas e fidelização de novos doadores.
Maria Inês complementou sobre a importância deste projeto para a nossa cidade, além de expor as expectativas de todos os envolvidos neste projeto, que seria o de aumento de doadores, consequentemente aumentos nas bolsas de sangue, bem como o atendimento a outras regiões vizinhas, fazendo comparações a outras cidades que já possuem um Hemocentro.
Durante a palestra muitas dúvidas puderam ser esclarecidas, como:

  • - Qual o procedimento?
  • - Quantas vezes podemos doar?
  • - Onde temos que doar?
  • - Para onde vai o sangue coletado?
  • - Qual o nosso tipo sanguíneo?
  • - Se quem tem tatuagens, piercings, dentre outros podem ser doadores?

A palestrante juntamente com o Sr. Valdir procurou esclarecer todas as dúvidas e aproveitaram a ocasião para provocar na classe uma reflexão sobre o tema, e sugeriu que compartilhássemos essas informações com as demais pessoas na nossa região e convívio, fazendo com que comprássemos a ideia da realização desta pesquisa, que seria o primeiro passo para desenvolvimento deste projeto, e para provocar uma comoção maior, eles trouxeram um vídeo que relatava bem sobre o que as pessoas achariam quando chegasse a um estabelecimento e encontrasse bolsas de sangue na geladeira, posteriormente Maria Inês justificou qual era o real motivo de ter passado o vídeo e falou ainda da importância da pesquisa, da doação de sangue e dos objetivos que vierem a ser conseguidos.

Após a aplicação do questionário e a tabulação dos resultados passamos para a confecção do relatório final da pesquisa. No Apêndice 1, encontra-se o questionário que foi utilizado e no Apêndice 2, a tabulação final. Agora seguem nossas impressões sobre o resultado da pesquisa, comentários e análise das questões.

Buscamos na primeira questão saber onde o pesquisado morava. Apareceram quase trinta cidades, a relação total se encontra no Apêndice 3. A maioria dos respondentes moram em Indaiatuba seguido pela cidade de Campinas, como podemos ver abaixo no gráfico um.

 

Gráfico 1 – Cidades
Fonte: autor | Base: 1183

Percebemos na questão número dois, gráfico dois, um equilíbrio entre pesquisados do sexo masculino e feminino, quase meio a meio.

Gráfico 2 - Sexo

Fonte: autor | Base: 1254

Podemos observar no gráfico três, relativo à questão do mesmo número, que há uma predominância de pessoas entre 18 a 35 anos representando quase metade dos entrevistados.

Gráfico 3 – Faixa Etária
Fonte: autor | Base: 1260

Na questão quatro abordamos sobre o tipo sanguíneo do entrevistado, demonstrado no gráfico quatro. A maioria conhece o seu tipo de sangue.

Gráfico 4 – Você sabe qual o seu tipo sanguíneo?

Fonte: autor | Base: 1267

Na quinta questão tentamos identificar se as pessoas já viram alguma campanha sobre doação de sangue. Pudemos observar que quase 95% dos respondentes tiveram contato, em algum momento com uma campanha, conforme apresentado no gráfico cinco.

Gráfico 5 – Você já viu campanha sobre doação de sangue?

Fonte: autor | Base: 1285

Na sua opinião, qual a importância de doar sangue. Avalie: sendo 1 pouco importante e 5 muito importante. Foi a nossa indagação na questão de número seis, apresentado no gráfico seis. Claramente as pessoas sabem que é muito importante a doação de sangue, assim pensam quase 60% dos pesquisadores.

Gráfico 6 - Na sua opinião, qual a importância de doar sangue? Avalie: sendo 1 pouco importante e 5 muito importante
Fonte: autor | Base: 1262

Na questão número sete perguntamos: Você acredita que a falta de conscientização sobre a doação de sangue faz com que as pessoas deixem de se tornar um doador. Quase 90% das pessoas entrevistadas acreditam que a falta de consciência sobre o tema é determinante na não doação.

Gráfico 7 - Você acredita que a falta de conscientização sobre a doação de sangue faz com que as pessoas deixem de se tornar um doador

Fonte: autor | Base: 1257

Na questão número oito, o tema foi segurança no momento da doação de sangue. A grande maioria dos entrevistados acham que é um procedimento seguro, conforme observamos no gráfico oito.

Gráfico 8 - Você acha que doar sangue é seguro?

Fonte: autor | Base: 1246

Na nona questão, buscamos identificar se as pessoas entrevistadas conheciam outras que são doadoras. 67% dos entrevistados conhecem pessoas que já doaram sangue.

Gráfico 9 - Você conhece pessoas que já doaram ou são doadoras de sangue com regularidade?

Fonte: autor | Base: 1109

Na questão dez, conforme gráfico abaixo, pesquisamos os motivos da não doação. As respostas foram variadas entre: medo do processo ou como nunca precisaram então acham que não precisam doar.

Gráfico 10 -  Na sua opinião, por que é tão difícil as pessoas doarem sangue?
Fonte: autor | Base: 1352

Na questão número onze, o entrevistado foi arguido sobre se já doou ou não sangue. A grande maioria nunca doou como demonstra a figura onze.

Gráfico 11-  Você já doou sangue alguma vez na sua vida?
Fonte: autor | Base: 1243

Na décima segunda questão, utilizamos os respondentes positivos da questão número onze, e perguntamos se eles são doadores regulares ou não. A maior parte, apesar de já terem doado sangue, ainda não são doadores regulares, conforme o gráfico doze.

Gráfico 12 -  Você é um doador de sangue regular?
Fonte: autor | Base: 340

Na décima terceira questão, procuramos saber se a religião pode ou não influenciar na decisão de doar sangue. Como demonstra o gráfico número treze, para a maioria a religião de cada pesquisado nada influência na decisão.

Gráfico 13 -  Até que ponto a sua religião influência na doação de sangue?

Fonte: autor | Base: 1263

Quais as principais causas para não se tornar um doador de sangue foi a questão décima quarta, que conforme demonstrado no gráfico abaixo, fica sinalizado que o medo da agulha e a falta de tempo são os principais entraves.

Gráfico 14 - Você não é um doador de sangue por quais motivos?

Fonte: autor | Base: 1165

Na décima quinta questão, buscamos saber se caso Indaiatuba possuísse um posto fixo de coleta de sangue seria importante. Quase a totalidade dos pesquisados acham que sim.

Gráfico 15-  Um posto fixo de coleta de sangue em sua cidade seria importante? avalie: sendo 1 sem importância e 5 muito importante

Fonte: autor | Base: 1225

Na penúltima questão o tema foi salvar vidas, perguntamos se as pessoas acreditam que a doação de sangue pode salvar uma pessoa. Como demonstra o gráfico abaixo.

Gráfico 16 -  Você acredita que a doação de sangue pode salvar vidas?
Fonte: autor | Base: 1252

A pergunta final foi à aplicação do questionário Critério Brasil, para identificarmos a classe social dos pesquisados. Quase 60% pertencem a classe B.

Gráfico 16 -  Critério Brasil
Fonte: autor | Base: 1269

Apesar do número considerável de campanhas de doação de sangue existentes na Região Metropolitana de Campinas e postos móveis onde a coleta é realizada, as pessoas ainda não são doadoras frequentes. A partir desta constatação fomos verificar o grau de interesse e de conscientização das pessoas a respeito da doação de sangue.
Buscamos identificar que grau de importância às pessoas atribuem a doação de sangue. Se falta conscientização ou outros motivos para que as pessoas não se tornem doadoras.
A maioria dos pesquisados são de Indaiatuba, entre 18 a 35 anos, sendo meio a meio entre homens e mulheres. Boa parte dos entrevistados conhecem seu tipo de sangue.
Quase 95% dos respondentes tiveram contato em algum momento com uma campanha sobre doação de sangue. Claramente as pessoas sabem que é muito importante a doação de sangue, mas contrário a isto, quase 90% das pessoas entrevistadas acreditam que a falta de consciência sobre o tema é determinante na não doação, mesmo acreditando que é um procedimento seguro.
Grande parte dos entrevistados conhecem pessoas que já doaram sangue e os principais motivos da não doação são: medo do processo ou como nunca precisaram então acham que não precisam doar. A grande maioria dos entrevistados nunca doou sangue e os que doaram, não são doadores regular. Para a maioria, a religião de cada pesquisado nada influência na decisão, o medo da agulha e a falta de tempo são os principais entraves. Caso Indaiatuba possuísse um posto fixo de coleta de sangue, o número de doadores aumentaria. As pessoas acreditam que a doação de sangue pode salvar vidas.

Questionário

Pesquisa sobre doação de sangue

1- Cidade que reside¬_________________________________________
2- Sexo ( )M ( )F
3- Idade ( ) Menor de 18 ( ) 18 a 25 ( ) 26 a 35 ( )36 a 45 ( ) 45 a 60 ( ) mais de 60
4- Você sabe qual o seu tipo sanguíneo
( )Sim ( )Não, mas tenho curiosidade para saber ( )Não, e não me preocupo com isso
5- Você já viu campanha sobre doação de sangue
( )Sim, já vi diversas campanhas de doação
( )Sim, vi algumas campanhas de doação
( )Não, nunca vi nenhum tipo de campanha de doação
6- Na sua opinião, qual a importância de doar sangue. Avalie: sendo 1 pouco importante e 5 muito importante
( )1 ( )2 ( )3 ( )4 ( )5
7- Você acredita que a falta de conscientização sobre a doação de sangue faz com que as pessoas deixem de se tornar um doador
( )Sim ( )Não
8- Você acha que doar sangue é:
( ) Inseguro ( ) Pouco seguro ( ) Mais ou menos seguro ( ) Seguro ( ) Muito seguro
9- Você conhece pessoas que já doaram ou são doadoras de sangue com regularidade
( ) Não ( ) Sim - Se sim quantos ( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 5
10- Na sua opinião, por que é tão difícil as pessoas doarem sangue
( ) As pessoas não se importam com as outras
( ) Tem medo do processo
( ) Não sabem da importância
( ) Não sabem como e onde doar
( ) Nunca precisaram, então acham que não precisam doar
11- Você já doou sangue alguma vez na sua vida
( ) Sim ( ) Não
12- Você é um doador de sangue regular
( ) Sim ( ) Não
13- Até que ponto a sua religião influência na doação de sangue
( ) Nada ( ) Pouco ( ) Muito ( ) Ela é contra ( ) Não sei
14- Você não é um doador de sangue por quais motivos
( ) Medo de agulha
( ) Alguma doença que interfere no processo
( ) Não possuir o peso adequado para doação
( ) Falta de tempo
( ) Falta de interesse sobre o assunto
15- Um posto fixo de coleta de sangue em sua cidade seria importante, avalie: sendo 1 sem importância e 5 muito importante
( ) 1 ( ) 2 ( ) 3 ( ) 4 ( ) 5
16- Você acredita que a doação de sangue pode salvar vidas
( ) Sim ( ) Não ( ) Não sei responder

Questionário Respondido

 

2-     Sexo
M 621
F 633
1254
3-     Idade 
Menor 18 61
18 a 25  354
26 a 35 412
36 a 45  224
45 a 60 168
mais de 60 41
1260
4-     Você sabe qual o seu tipo sanguíneo
Sim 801
Não 405
Não e não me preocupo 61
1267
5-     Você já viu campanha sobre doação de sangue
(  )Sim, já vi diversas campanhas de doação 685
(  )Sim, vi algumas campanhas de doação 519
(  )Não, nunca vi nenhum tipo de campanha de doação 81
1285
6-Na sua opinião, qual a importância de doar sangue. Avalie: sendo 1 pouco importante e 5 muito importante
1 19
2 20
3 64
4 156
5 1003
1262
7-Você acredita que a falta de conscientização sobre a doação de sangue faz com que as pessoas deixem de se tornar um doador
Sim 1092
Não 165
1257
8-     Você acha que doar sangue é:
Inseguro 36
Pouco Seguro 59
Mais ou menos seguro 226
Seguro 637
Muito seguro 288
1246
9-     Você conhece pessoas que já doaram ou são doadoras de sangue com regularidade
Não 364
Sim 745
Se sim  1109
1 241
2 237
3 168
4 88
5 115
849
10-  Na sua opinião, por que é tão difícil as pessoas doarem sangue
(  ) As pessoas não se importam com as outras 128
(  ) Tem medo do processo 346
(  ) Não sabem da importância 268
(  ) Não sabem como e onde doar 241
(  ) Nunca precisaram, então acham que não precisam doar 369
1352
11-  Você já doou sangue alguma vez na sua vida
Sim 340
Não 903
1243
12-  Você é um doador de sangue regular
Sim 149
Não 1093
1242
13-  Até que ponto a sua religião influência na doação de sangue
Nada 1014
Pouco 93
Muito 45
Ela é contra 28
Não sei 83
1263
14-  Você não é um doador de sangue por quais motivos
(  ) Medo de agulha 229
(  ) Alguma doença que interfere no processo 173
(  ) Não possuir o peso adequado para doação 107
(  ) Falta de tempo 491
(  ) Falta de interesse sobre o assunto 165
1165
15-  Um posto fixo de coleta de sangue em sua cidade seria importante, avalie: sendo 1 sem importância e 5 muito importante
1 37
2 25
3 104
4 193
5 866
1225
16-  Você acredita que a doação de sangue pode salvar vidas
Sim 1164
Não  36
Não sei responder 52
1252
Critério Brasil
A1 17
A2 101
B1 256
B2 478
C1 301
C2 90
D 25
E 1
1269
INDAIATUBA 759
CAMPINAS 173
SALTO 75
MONTE MOR 33
ITU 33
SÃO PAULO 20
HORTOLANDIA 18
SANTOS 12
SUMARÉ 10
BOITUVA 8
CAPOEIRÃO M.G. 6
ELIAS FAUSTO 4
JUNDIAÍ 4
SOROCABA 4
S.B. CAMPO 3
VALINHOS 3
PIRACICABA 2
ITUPEVA 2
ARARAS 2
TATUI 2
VARGINHA M.G. 2
CAMPO GRANDE M.S. 2
AMERICANA 2
SÃO VICENTE 1
BAURU 1
PAULINIA 1
VINHEDO 1